ATIVIDADES DO EVENTO

ÁREAS TEMÁTICAS


PROGRAMAÇÃO


Manual do Congressista

ATIVIDADES DO EVENTO

O programa científico contará com estas atividades e eventos

  • Conferências magistrais
  • Consistem em exposições orais conduzidas por especialistas de grande prestígio e experiência na temática do evento, convidados pela organização, com assessoria da Comissão Científica do Congresso. A conferência de abertura será aberta para qualquer público interessado e gratuita.

    ver arquivo Palestras Confirmadas

  • Mesas de debate
  • Durante o congresso se reservará um espaço aos melhores trabalhos destacados pela Comissão Científica (de todos os resumos enviados e avaliados), compondo uma mesa de debates. Estes trabalhos serão agrupados em temas de acordo com as quatro grandes áreas do Congresso. As mesas também poderão atender a questões políticas importantes, temas solicitados pelos organizadores ou outro tema de interesse do GIAL. De qualquer maneira, os temas e as questões destacadas serão relacionadas com a formulação da Declaração de Florianópolis. Cada participante da mesa de debate terá 10 minutos para apresentar o seu trabalho e mais 10 minutos para responder a três perguntas relacionadas a Declaração de Florianópolis, previamente encaminhadas pela Coordenação do GIAL. Na parte final da mesa, haverá uma discussão entre os participantes e palestrantes.

    Mesas de debate confirmadas

  • Mesas redondas temáticas
  • Tratam-se de sessões dirigidas ao debate e a reflexão sobre temáticas específicas, a partir de perguntas e indicações que deverão seguir os participantes. Tais convidados serão escolhidos pela Comissão Científica, segundo sua formação e experiência e sua adequação a cada temática. Os assistentes terão um papel fundamental, pois se disporá de tempo para opinar e/ou realizar perguntas. As intervenções servirão para inspirar a elaboração da Declaração de Florianópolis.

    Mesa Redonda 1

    Mesa Redonda 2

    Mesa Redonda 3

    Mesa Redonda 4

  • Exposições orais
  • Durante os dias do congresso, serão realizadas sessões nas quais os assistentes poderão expor, apoiados de apresentações eletrônicas, os trabalhos científicos e/ou técnicos aprovados pela Comissão Científica. A organização e distribuição de trabalhos por áreas temáticas estará a cargo desta Comissão e cada assistente disporá de um programa detalhado para escolher a qual deseja assistir. Cada exposição terá uma duração de dez minutos, com cinco minutos para perguntas e intervenções do público.

    Consulte aqui o TEMPLATE

  • E-posters
  • Os E-posters são apresentações curtas de trabalhos científico-técnicos, mostradas em telas inteligentes, disponíveis na sede do evento. Cada apresentação terá uma ordem concreta de exibição, repetida de maneira periódica, com a possibilidade de contatar via e-mail com seu autor, e de ser descarregada em formato .pdf ao final do evento. Além disso, contará com a presença programada do autor em um de seus painéis. O E-poster ou pôster eletrônico substitui o tradicional pôster em papel, com a intenção de melhorar sua relevância e seu impacto. Entre outros aspectos, este formato permitirá uma maior difusão dos trabalhos.

    Consulte as regras aqui REGRAS E-POSTER e o TEMPLATE

  • Saída técnica
  • No último dia do evento (07/05/2016), será organizada uma SAÍDA TÉCNICA, preparada pela Organização, com o aporte da Comissão Científica. Consistirá em uma visita guiada, com transporte incluído para todos aqueles congressistas que tenham se registrado, sob as condições estabelecidas pela organização (ver arquivo Saídas Confirmadas).

    Saída de Campo GIAL 2016 - Litoral Centro-Norte

    Saída de Campo GIAL 2016 - Ilha de Santa Catarina

  • Reuniões paralelas
  • Durante o evento, ocorrerão reuniões de trabalho, paralelas ao funcionamento normal do mesmo. Durante tais atividades, as organizações convidadas terão reuniões de coordenação e de trabalho interno, não abertas a qualquer público. Estas atividades permitirão subsidiar ao Congresso de especialistas e profissionais ibero americanos da temática principal, assim como o desenvolvimento de atividades específicas de carácter técnico e a colaboração na elaboração da Declaração de Florianópolis. Entre as organizações que já confirmaram sua participação, destacam-se a Rede Ibero americana de Manejo Costeiro Integrado (IBERMAR) e o Fórum do Mar, do Brasil.

  • Declaração de Florianópolis
  • Trata-se de uma atividade transversal ao restante do programa do Congresso e o objetivo último do mesmo. A Comissão Organizadora e a Comissão Científica se propuseram elaborar, com a colaboração de todos os assistentes, um documento de referência como um roteiro que reforce os objetivos do evento, aumente sua repercussão e impacto, para facilitar mudanças ou avanços na temática principal e que sirva de reflexão para a comunidade internacional. Deste modo, pretende-se dar continuidade a Declaração de Cádiz, aprovada durante o I Congresso GIAL (Cádiz, 2012), consolidando este evento como um ícone de referência e estímulo para a Gestão Integrada das Áreas Litorais e dos Oceanos na Ibero américa. O documento final terá como título: “Declaração de Florianópolis: roteiro para a governança para os serviços ecossistêmicos dos oceanos e as costas da Ibero américa”.

  • Atividades culturais
  • Na segunda-feira, 02 de maio de 2016, será realizado um passeio cultural pela Ilha de Santa Catarina (Florianópolis), a que poderá somar-se qualquer interessado (assim como na saída técnica, terá um custo adicional).
    Além disso, ao longo do evento, se realizarão diversas atividades de caráter lúdico e cultural, em paralelo as atividades específicas do congresso. A medida que sejam definidas, se detalharão tais ofertas. Entre outras coisas, se esperam:

  • Exposições de artistas locais;
  • Exposições de fotografias relacionadas com a temática do evento;
    Consulte as regras aqui EXPOSIÇÃO FOTOGRAFICAS e ANEXO FICHA DE INSCRIÇÃO
  • Concertos de música;
  • Exibição de vídeos/documentários.
  • ÁREAS TEMÁTICAS

    Descritores e temas propostos, vinculados a Gestão Integrada de Áreas Litorais (GIAL) da comunidade Ibero americana de nações:

    1. Usos e dependência humana dos serviços ecossistêmicos em áreas costeiras e marinhas

  • Usos e conflitos relacionados aos serviços de provisão: Pesca, produção de petróleo e gás, aquicultura, mineração, fontes energéticas, agricultura costeira, outros.
  • Usos e conflitos relacionados aos serviços de suporte: Urbanização, Transporte, atividades portuárias, telecomunicações, segurança naval, infraestrutura, áreas marinhas e costeiras protegidas, outros.
  • Usos e conflitos relacionados aos serviços de regulação: Proteção costeira, regulação climática, recepção de efluentes, manutenção da qualidade físico-química da água, outros.
  • Usos e conflitos relacionados aos serviços culturais: Lazer, turismo, atividades religiosas, educação, conexões institucionais e sociais, patrimônio histórico-cultural, outros.
  • 2. Ordenação, planejamento e gestão para o uso sustentável dos oceanos e costas e de seus serviços ecossistêmicos

  • Processos adaptativos à Mudança Climática Global.
  • Gestão com Base Ecossistêmica.
  • Instrumentos de suporte à gestão. Ordenamento espacial, monitoramento, planos de gestão, outros.
  • Vulnerabilidade nos oceanos e costas. Riscos socioambientais.
  • Gestão de Praias.
  • Eventos Climáticos Extremos.
  • Gestão conectada: Bacias hidrográficas-Zona Costeira-Zona Oceânica Adjacente.
  • Planejamento e Gestão dos Grandes Ecossistemas Marinhos e seus serviços.
  • Gestão Integrada de Áreas Insulares.
  • Avaliação e Valoração dos Serviços ecossistêmicos.
  • Base de informação e conhecimento para a gestão. Conhecimento científico e tradicional.
  • 3. Governança dos oceanos e costas

  • Políticas Oceânicas e Costeiras.
  • Integração e cooperação institucional.
  • A base legal para a gestão de ecossistemas e seus serviços.
  • Gestão marinha e costeira participativa.
  • Comunicação social e o fortalecimento da gestão.
  • Formação, Capacitação e Educação Ambiental.
  • Redes cooperativas para o estudo e gestão dos ecossistemas marinhos e costeiros e seus serviços.
  • Planejamento de Áreas Oceânicas além das Jurisdições Nacionais.
  • 4. Iniciativas Ibero americanas centradas a governança dos serviços ecossistêmicos dos oceanos e costas

  • Estratégias.
  • Planos e Programas.
  • Boas Práticas e Lições Aprendidas.
  • Novas Tendências e Orientações.